Educação Infantil - Meu, seu ou nosso?

Para que os pequenos aprendam a conviver socialmente, é preciso desenvolver a noção do que é pessoal e coletivo.

Quando as crianças começam a frequentar a creche, saem de um universo em que toda a atenção da família é dedicada a elas e passam a ter de dividir o cuidado dos adultos e os objetos a sua volta com vários colegas. Esse é um momento importante a ser explorado, pois é quando se iniciam a formação da identidade e o saber do que é de posse pessoal e coletiva. "Até então, elas não se veem como alguém que existe por si só", explica Karina Rizek, coordenadora de projetos da Escola de Educadores, em São Paulo, e selecionadora do Prêmio Victor Civita - Educador Nota 10.

EU E MEU ESPAÇO Na CEMEI Uberaba,
todos têm um lugar certo para guardar
seus pertences.
Fotos: Marcelo Almeida


Para fazer com que a turma desenvolva os conceitos de identidade e de sociabilização, é preciso estabelecer algumas atividades rotineiras, como trabalhar com fotografias das crianças. Uma boa forma de usá-las é montar um cartaz com elas, acompanhadas do nome de cada um. Aliás, para trabalhar com crianças dessa idade, usar esse tipo de imagem pode ser útil para que elas diferenciem o que lhes pertence do que é propriedade de todos. O armário onde as mochilas e os materiais são guardados, por exemplo, deve ser organizado de tal modo que cada uma tenha seu espaço identificado com sua foto. É assim que funciona na CEMEI Uberaba, em Curitiba. "Todos já sabem que não se pode pegar as coisas que estão no espaço que é do colega sem pedir antes", conta a educadora Raquel Pereira Costa.

Intervenções ajudam a aprender como compartilhar o material

Os pequenos precisam entender também que tintas e papel, entre outras coisas, devem ser socializadas. Guardar tudo isso em caixas coletivas é uma boa saída. É fundamental intervir para que todos aprendam a compartilhar esses objetos. As regras a esse respeito devem ser validadas sempre. Nesse processo, muitos vão chorar e brigar com os colegas. É seu papel mostrar que o comportamento não é adequado e fazer com que os envolvidos participem da resolução. "Isso é de todo mundo. Que tal você ficar com uma folha e dar outra ao seu colega?" O dia do brinquedo na escola é outro momento rico para explorar a noção do que é individual. "As famílias devem ser orientadas a deixar os filhos levarem somente o que pode ser usado por todos", recomenda Karina. Com essas atitudes, você vai ajudar os pequenos a compreender como agir para viver (bem) em sociedade.


Fonte: www.revistaescola.abril.com.br

Edição 227 - Novembro/2009

Um comentário:

Não esqueça de dar sua opinião, deixe um comentário. Também avise-nos caso algum link esteja off. *-*